Ouça a Smooth FM em qualquer lado.
Faça o download da App.
19 setembro 2023
10:54
Agência Lusa

Artista dinamarquês que ficou com o dinheiro que devia ter exposto condenado a devolvê-lo

Artista dinamarquês que ficou com o dinheiro que devia ter exposto condenado a devolvê-lo
Pixabay
Decisão anunciada em tribunal.

Um artista dinamarquês que devia ter exibido o equivalente a 70 mil euros em notas coladas numa tela, mas que acabou por apresentar molduras vazias, mantendo a quantia, foi condenado a devolver a maior parte do valor ao museu.

Um tribunal de Copenhaga divulgou, em comunicado, que decidiu que o artista tinha de pagar ao museu 492.549 coroas (cerca de 66.000 euros), o valor devido, deduzidos os honorários do artista e as custas do processo.

Em 2021, o museu "Kunsten" de Aalborg, no oeste da Dinamarca, concordou em emprestar uma grande quantia em dinheiro a Jens Haaning, para que este pudesse reconstruir uma das suas antigas obras que representava um ano de salário na Dinamarca e na Áustria, em notas dinamarquesas e euros.

Com o objetivo de atualizar os salários, o museu emprestou-lhe o dinheiro, mas ao abrir as caixas, os funcionários perceberam que as molduras estavam vazias, sendo as obras renomeadas para "Agarre o dinheiro e fuja".

Haaning pretendia protestar desta forma pelas suas condições de trabalho, mas o museu, que incluiu duas obras na exposição, considerou que o artista tinha violado o acordo e deu-lhe um prazo para devolver o dinheiro até ao encerramento da exposição em janeiro de 2022, antes de recorrer a os tribunais.

O tribunal decidiu a favor do museu, aludindo ao facto de o contrato celebrado entre as partes estabelecer que o valor deveria ser devolvido no final da exposição e que para que houvesse alteração das condições seria necessária a autorização escrita do ambos teriam sido necessários.

O diretor do museu, Lasse Andersson, explicou que decidiu apresentar as duas obras como parte da sua exposição sobre obra moderna, mas frisou que sempre foi intenção recorrer ao tribunal caso Haaning, de 58 anos, não devolvesse o dinheiro.


Pelo seu trabalho, Haaning recebeu 10.000 coroas (cerca de 1.340 euros), mais um bónus de exposição.

O artista processou o Estado por violação dos seus direitos de autor, mas o tribunal não lhe deu razão.

Questionado pela televisão TV2 Nord, o artista considerou que o museu obteve "muito, muito mais" do que o dinheiro que investiu, nomeadamente graças à cobertura mediática do caso.

Haaning sustentou que apenas recriar as obras lhe custaram 25 mil coroas (mais de 3 mil euros) do seu próprio bolso e foi daí que surgiu a ideia de enviar as telas em branco.

"Convido outras pessoas com condições de trabalho tão miseráveis como as minhas a fazerem o mesmo. Se têm um mau emprego, não lhes dão dinheiro e pedem que usem o seu para trabalhar, tiram-no do caixa e vão-se embora", defendeu o artista na altura.

Jens Haaning é um artista consagrado que já expôs em museus e galerias de Istambul, Viena, Dakar, Amesterdão, Estocolmo, Nova Iorque e Barcelona.

Mais Notícias