Ouça a Smooth FM em qualquer lado.
Faça o download da App.
09 fevereiro 2024
14:58
Redação / Agência Lusa

Construção da variante à EN14 condiciona trânsito na Trofa

Construção da variante à EN14 condiciona trânsito na Trofa
IP
Trabalhos estão previstos até outubro.

A circulação rodoviária no centro da Trofa vai estar sujeita a constrangimentos nos próximos oito meses devido à última fase da construção da variante à Estrada Nacional 14(EN14), anunciou esta sexta feira  o município do distrito do Porto.

A obra, da responsabilidade da Infraestruturas de Portugal (IP), arranca na quarta-feira e tem conclusão prevista para 31 de outubro, desenvolvendo-se numa extensão de 2,4 quilómetros e incluindo a construção de uma nova ponte sobre o rio Ave, que ligará o Interface Rodoferroviário da Trofa a Santana, em Vila Nova de Famalicão, acrescenta em comunicado da autarquia.

Segundo a autarquia, enquanto durar a obra, a "circulação na Rua Dr. Aníbal da Costa Ferreira estará muito condicionada, sendo que os acessos ao Hospital da Trofa, à Academia Municipal da Trofa e outros equipamentos na área serão efetuados para trânsito ligeiro e transportes de passageiros pela Rua Abílio Costa Couto (Escola EB 2/3 Prof. Napoleão Sousa Marques) e para trânsito pesado pela EN14 (redistribuição na Rotunda do Catulo). O trânsito com sentido Vila Nova de Famalicão e Porto terá também que seguir via EN104 até à EN14 (Catulo)".

O município indica ainda que na Avenida 19 de novembro o trânsito vai circular em ambos os sentidos, numa das faixas de rodagem, durante a fase de construção da nova rotunda, junto ao interface rodoferroviário.

Dadas as especificidades das zonas atravessadas, a construção da nova variante à EN14 está a ser concretizada de forma faseada, em três lanços principais: Maia/Trofa, Variante à Trofa e Trofa/Vila Nova de Famalicão, assinalou, na altura, a IP.

Uma vez concluída, a obra "aproximará a indústria aos eixos que constituem a malha fundamental para o transporte de pessoas e mercadorias, tendo como foco a rede de autoestradas que caracteriza a envolvente (A3, A7 e A28)", bem como "potenciar a zona de influência do Aeroporto Francisco Sá Carneiro e do Porto de Leixões e melhorar a articulação com as infraestruturas ferroviárias", lê-se ainda no comunicado da IP.